Como escolher alimentos na hora da compra no mercado

Tempo de leitura: 5 minutos

por Fernanda Borges Carlucio da Silva

Introdução

Escolher alimentos na hora da compra no mercado de forma correta pode ser um grande desafio!

Essa é uma pergunta que muitas pessoas fazem ao realizar a compra de um alimento e sempre ficam na dúvida se fizeram a escolha certa.

Acompanhando a reflexão do início da semana sobre o consumo de alimentos, o objetivo desse conteúdo, será orientar para um menor consumo de alimentos industrializados. Para um menor consumo de alimentos industrializados, é de grande importância observar o tipo de processamento que o alimento foi submetido antes da sua aquisição, seu preparo e consumo. De acordo com o Guia alimentar para a população Brasileira 2014, os alimentos são classificados em quatro categorias de acordo com o processamento utilizado na sua produção:

Primeira categoria: ALIMENTOS IN NATURA OU MINIMAMENTE PROCESSADOS

Alimentos in natura: obtidos diretamente de plantas ou de animais e adquiridos para consumo sem sofrer qualquer alteração após deixarem a natureza.

Minimamente processados: são alimentos in natura que, antes de sua aquisição, foram submetidos a alterações mínimas. Os alimentos podem ter sido submetidos à limpeza, remoção de partes não comestíveis, secagem, embalagem, pasteurização, resfriamento, congelamento, moagem e fermentação, que transformam alimentos in natura em minimamente processados.

Nesses alimentos não são adicionados sal, açúcar, óleos, gorduras ou outras substâncias. Exemplos: Legumes, verduras, frutas, batata, mandioca e outras raízes e tubérculos in natura ou embalados, fracionados, refrigerados ou congelados; arroz branco, integral ou parboilizado, a granel ou embalado; milho em grão ou na espiga, grãos de trigo e de outros cereais; feijão de todas as variedades, lentilhas, grão de bico e outras leguminosas; cogumelos frescos ou secos; frutas secas, sucos de frutas e sucos de frutas pasteurizados e sem adição de açúcar ou outras substâncias; castanhas, nozes, amendoim e outras oleaginosas sem sal ou açúcar; cravo, canela, especiarias em geral e ervas frescas ou secas; farinhas de mandioca, de milho ou de trigo e macarrão ou massas frescas ou secas feitas com essas farinhas e água; carnes de gado, de porco e de aves e pescados frescos, resfriados ou congelados; leite pasteurizado (Tipo A, B e C), ultrapasteurizado (longa vida) ou em pó, iogurte (sem adição de açúcar); ovos; chá, café, e água potável.

Segunda categoria: ÓLEOS, GORDURAS, SAL E AÇÚCAR

São produtos extraídos de alimentos in natura ou da natureza por processos como prensagem, moagem, trituração, pulverização e refino. São utilizados nas cozinhas das casas, em refeitórios e restaurantes para temperar e cozinhar alimentos e para criar preparações culinárias variadas e saborosas, incluindo caldos e sopas, saladas, tortas, pães, bolos, doces e conservas.
Exemplos: Óleos de soja, de milho, de girassol ou de oliva, manteiga, banha de porco, gordura de coco, açúcar de mesa branco, demerara ou mascavo, sal de cozinha refinado ou grosso.

Terceira categoria: ALIMENTOS PROCESSADOS

Alimentos processados são fabricados pela indústria com a adição de sal ou açúcar ou outra substância de uso culinário a alimentos in natura para torná-los duráveis e mais agradáveis ao paladar. São produtos derivados diretamente de alimentos e são reconhecidos como versões dos alimentos originais. São usualmente consumidos como parte ou acompanhamento de preparações culinárias feitas com base em alimentos minimamente processado.

Exemplos: Cenoura, pepino, ervilhas preservados em salmoura ou em solução de sal e vinagre; extrato ou concentrados de tomate (com sal e ou açúcar); frutas em calda e frutas cristalizadas; carne seca e toucinho; sardinha e atum enlatados; queijos; e pães feitos de farinha de trigo, leveduras, água e sal.

Quarta categoria: ALIMENTOS ULTRAPROCESSADOS

São formulações industriais feitas inteiramente ou em maior proporção de substâncias extraídas de alimentos (óleos, gorduras, açúcar, amido, proteínas), derivadas de constituintes de alimentos (gorduras hidrogenadas, amido modificado) ou sintetizadas em laboratório com base em matérias orgânicas como petróleo e carvão (corantes, aromatizantes, realçadores de sabor e vários tipos de aditivos usados para dotar os produtos de propriedades sensoriais atraentes). Técnicas de manufatura incluem extrusão, moldagem, e pré-processamento por fritura ou cozimento.

Exemplos: vários tipos de biscoitos, sorvetes, balas e guloseimas em geral, cereais açucarados para o desjejum matinal, bolos e misturas para bolo, barras de cereal, sopas, macarrão e temperos instantâneos’, molhos, salgadinhos “de pacote”, refrescos e refrigerantes, iogurtes e bebidas lácteas adoçados e aromatizados, bebidas energéticas, produtos congelados e prontos para aquecimento como pratos de massas, pizzas, hambúrgueres e extratos de carne de frango ou peixe empanados do tipo nuggets, salsichas e outros embutidos, pães de forma, pães para hambúrguer ou hot dog, pães doces e produtos panifcados cujos ingredientes incluem substâncias como gordura vegetal hidrogenada, açúcar, amido, soro de leite, emulsificantes e outros aditivos.

Dicas

Com base nas informações apresentadas sobre a classificação dos alimentos de acordo com o seu processamento, seguem dicas importantes para a escolha do alimento:

– sempre preferir no momento da compra/consumo os alimentos in natura ou minimamente processados e preparações culinárias a alimentos ultraprocessados.

– os alimentos in natura ou minimamente processados devem ser a base de sua alimentação.

– Utilize óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades ao temperar e cozinhar alimentos e criar preparações culinárias.

– Limite o uso de alimentos processados, consumindo-os, em pequenas quantidades, como ingredientes de preparações culinárias ou como parte de refeições baseadas em alimentos in natura ou minimamente processados.

– Evite alimentos ultraprocessados.

– Sempre optar por preparações feitas na hora, como arroz, feijão, tortas, legumes refogados e evitem sopas “de pacote”, macarrão “instantâneo”, sanduiches.

– Preferir sobremesa caseira e evitando as industrializadas.

– Optar por frutas, suco de fruta natural evitando os sucos industrializados com adição de açúcar.

*Fonte: Guia alimentar da população Brasileira, 2014.

Deixe uma resposta